24/09/2013


♪♫ One Horse Town por The Thrills

Engraçado como uma única peça pode fazer a diferença no resultado de uma produção masculina. Quando montei esse look pra sair de casa, pensei em conforto e despretensão. A t-shirt básica ficou ótima com a calça vinho e as infalíveis alpargatas. No fim joguei por cima de tudo um blazer oversized e, voilá, o que era absurdamente simples virou algo com um pouco mais de elegância. Mas lembre-se: se você for um pouco mais "cheinho", aposte no blazer estruturado e slim (a melhor dica é mandar fazer com suas medidas).


Blazer: Riachuelo | T-shirt: Hate the Hype | Calça: Renner | Alpargatas: Renner

20/09/2013


Sim, o novo cabelo de Justin é do caralho! 

O processo evolutivo do estilo do cantor Justin Timberlake foi algo sutil, gradual, mas deu pra sentir a firmeza das propostas de cada época. Quando um novo álbum ia ser lançado, o atual “presidente do pop” ganhava uma nova estética redondinha, que representava bem a idade e a música que tocava nos discos. Lá no comecinho da carreira solo, quando lançou o primeiro material longe dos companheiros de N Sync, Justin segurou até onde conseguiu um estilo mais parecido com o dos rappers, afinal, ali começava sua parceria de longa data com Timbaland. Calças e camisetas folgadas acompanhavam o cantor em cada apresentação. 

Alguns bons anos depois ele fez a sua tão famosa volta sexy, com o álbum "FutureSex/LoveSounds". Já com produção total do companheiro egocêntrico Timbaland. Justin surgiu com ótimos combos de alfaiataria, todo o visual largado foi deixado de lado, e os blazers e calças mais justas foram incorporados à sua produção. O único elemento street que restava era o tênis, que permanecia por lá, mixado com as peças mais sociais. 

Sete anos depois da era “Sexyback”, Justin retorna aos palcos com “The 20/20 Experience”. “Suite &  Tie” deu o tom musical e visual extremamente sofisticado de Justin, agora um homem maduro, casado e vestido com os incríveis ternos do estilista Tom Ford. O cantor (e ator, e estilista, e produtor...) agregou o alto luxo à nova sonoridade calcada na elegância retrô, mixada com o estouro da música pop.

Em tempo de Justin fazendo show memorável no Rock in Rio, falar do seu estilo era obrigação.  

Nas capas da GQ Magazine

Justin adora um bom colete

Caqui

T-shirts + Jeans

Terno e gravata

Alta Moda

+ Apesar do estilo não ser meu preferido, a época de "Like a Love You" é a que mais gosto em termos musicais. Sem muita produção hypada, o disco tem uma pegada urbana ultracool.

19/09/2013


♪♫ Wildfire por SBTRKT

O tempo passou, a barba cresceu (o que ainda vai render um post bacana por aqui) e o álcool virou meu melhor amigo. Nada saudável, né? Enquanto alguns “queridos” blogueiros postam o tempo todo fotos malhando enlouquecidos no Instagram, eu posto meu fim de semana regado à cerveja... Cada um no seu quadrado. 

Mas vamos colocar o pé na moda e responder uma questão pertinente: look do dia ainda funciona? Categoricamente sim, no entanto funciona quando existe um propósito, que não seja ostentar marcas famosas e ganhar presentes das assessorias. No meu caso, recebo dezenas de mensagens agradecendo as dicas de como construir uma identidade fashion sem cair nas baboseiras de alguns blogs por aí. Bato na tecla da informação de moda pra massa, pro povo que quer colocar algo de interessante no dia a dia, então volto (de novo) com boas produções pros rapazes que querem se vestir bem e, o melhor, pagando pouco

Parece que estou refazendo o texto que escrevi quando lancei “O Homem e a Moda”, há mais ou menos cinco anos, mas preciso deixar claro que o lance aqui não é jabá, o lance aqui é conteúdo. Agradeço aos leitores que pediram uma volta, mesmo! Estou por aqui, e não pretendo mais sair. Meu último post tinha sido escrito em 04.06.2013, agora volto, e digo que fico


Camisa: Iury Costa (de umas 5 coleções atrás) | Calça: Confeccionada pela mãe | Dockside: Renner

04/06/2013


♪♫  Lions In Cages por Wolf Gang

Aquisição nova: calça verde-oliva. Claro que eu ia me enveredar pelos caminhos do militarismo, principalmente nessa estação, que a proposta voltou (de novo e de novo) e ganhou até nome de neomilitarismo (sendo que não tem nada de novo e inovador). No meu caso, juntei a calça nova com uma t-shirt camuflada, a bolsa de couro e o dockside mais velho e acabado de todos os tempos. Saldo final? Virei soldado fashion sem esforço nenhum. 


T-shirt: Riachuelo | Calça: Riachuelo | Dockside: Riachuelo | Mochila: Renner




Sabe quando você escuta uma música e se apaixona de cara? Estava eu assistindo a um desfile da Ellus (se não me engano) - em uma das primeiras vezes que fui ao São Paulo Fashion Week - e fiquei sem chão quando a trilha sonora começou a tocar. Naquela ocasião Max Blum havia escolhido a canção, que me lembrou imediatamente algo um pouco orgânico, futurista e ao mesmo tempo com o pé enfiado no retrô. Claro que foi o bastante pra eu correr atrás da banda e vasculhar a carreira inteira da mesma, no caso, seu nome era The New Division

Pelo menos já fica na cara só de ver o nome que a banda tem forte influência de gente boa como o New Order e Joy Division, mas ao escutar Opium (a música que tocou no desfile em uma versão de 14 minutos) a referência pode ser sentida no ato. Existe uma obscuridade incrível em cada acorde, que mixa passado e futuro de uma forma linda (essa é a palavra). O The New Division nasceu em 2007, mas só foi em 2011, como o lançamento do primeiro disco, Shadows, que o boom aconteceu. Além de Opium (transcendental), Shallow Play, Sense, Violent, Musich e Special merecem repeat

Outra boa dica é escutar The New Division com fones, pra que a experiência seja ainda mais arrebatadora, afinal, a produção do disco passeia por uma união estruturada de synthpop, eletro , rock e dance music. Play!


+ Em 2012, a banda lançou o EP Night Scape, com mais quatro músicas inéditas. Pride é um sopro de frescor.






O lance é o seguinte, quem acompanha o blog O Homem e a Moda sabe muito bem que não dou ponto sem nó quando o assunto é publipost, notícias patrocinadas, e-mail de assessoria e afins, e que eu realmente faço um filtro bacana do que entra ou não de conteúdo por aqui. A boa notícia é que (vez ou outra) recebo material que vale a pena sacudir a rede pra divulgar, como é o caso do Men’s Market

Os proprietários Lucas Amoroso e Pedro Prellwitz entraram em contato comigo pra apresentar a ideia do site e comentar sobre a parceria com a Gilette. Depois de dar uma boa olhadela no material que eles resolveram investir cheguei à conclusão: Men’s Market chegou pra ficar e merece a atenção dos rapazes. Trata-se do primeiro site de e-commerce brasileiro voltado completamente pra beleza masculina, com produtos da melhor qualidade, de marcas mega interessantes e com preços bem convidativos. Além da Gilette, o site tem no portfólio marcas como Schwarzkopf, Keune, Paul Mitchell e Nickel, com entrega em casa, pagamento facilitado e muita praticidade

E não, não estou ganhando nada pra falar isso, é só clicar no site (https://www.mensmarket.com.br/) pra perceber que a ideia é absurdamente necessária e o serviço é de primeira. O Homem e a Moda indica demais!



23/05/2013


♪♫ Pumpin Blood por NONONO

E o tema da semana é o delicioso jeans... Pela primeira vez eu inventei de sair de casa com um look total denim. Curti o resultado, principalmente por se tratar de um tecido tão amplamente democrático e livre de reservas. Com o jeans é possível fazer absolutamente tudo. A produção se tornou básica e cool, mas seguindo na proposta atual do quase monocromático e usando peças com o mesmo material.



Camisa: Brechó Reinvenção | Calça: Renner | Mocassim: Haufën | Óculos: Ambulante

22/05/2013


Acredite, é tudo jeans!

A gente não cansa de se surpreender com a arte. Nessa última semana enquanto pesquisava assuntos interessantes referentes ao jeans pra Santana Textiles, dei de cara com um rapaz britânico que resolveu criar quadros um tanto diferentes do habitual. Levando em consideração que o denim é o tecido mais democrático e amado do planeta, a gente até se pergunta por que algo do tipo não aconteceu há mais tempo. Ian Berry simplesmente desenvolve sua arte, no caso quadros, com tiras de jeans que não servem mais pra fabricação de roupas. 

Ele vai a diversas lojas de caridade, compra retalhos com diferentes beneficiamentos e costura matiz por matiz até chegar ao resultado final. Ian também precisa ser muito cauteloso no senso de cores, formas e sombras pra manipular o tecido. 

Entre suas obras mais famosas, Londres é o foco. Os quadros impressionam pela qualidade de detalhes e as diferentes nuances de azul que o artista consegue com seu caminho nada convencional. Hoje, parece que a tinta é pros fracos...